Make your own free website on Tripod.com
Comece por ler uma breve introdução acerca deste autorCronolgia dos eventos mais importantes da vida de João de BarrosAs mais importantes obras  em análiseContactoConsulte esta secção no caso de ter problemas com este site...


Nesta secção de Análise de obras seleccionadas vão ser expostos os elementos-chave das mais importantes obras de João de Barros. A análise das obras de João de Barros será determinante para que se compreenda a relevância do autor na sua época, assim como as suas maiores influências e modelos, desde o grande Erasmo de Roterdão até às velhas escrituras.


Crónica do Imperador Clarimundo
(Primeira Parte da Crónica do Imperador Clarimundo donde os Reis de Portugal descendem)

Ao olharmos para esta Crónica, uma das primeiras obras profanas impressas em Portugal, podemos verificar desde logo que o autor vivia num certo desafogo económico e sob bastante segurança política, dada a sua natureza. A obra, que demorou oito meses a ser escrita, com o apoio do rei D. Manuel de do Infante D. João. Uma vez concluída, a obra agradou bastante o rei de Portugal que se prontificou a confiar-lhe a organização de uma história dos portugueses no oriente. Estamos perante uma novela de cavalaria que, de acordo com o autor, se trata de uma tradução fiel de um manuscrito original húngaro em que era contada a vida aventurada do Imperador Clarimundo. Aqui, a personagem é apresentada como progenitora de D. Afonso Henriques, e como o verdadeiro primeiro rei de Portugal. Trata-se de pura ficção, até porque nada indica que Barros soubesse a língua húngara. O enredo é “labiríntico”, complexo e difícil de explicar. Em 104 capítulos, João de Barros insere 250 personagens, eventos de ordem natural e sobrenatural, fazendo mesmo menção a feitos dos reis portugueses. As batalhas desenrolam-se entre muçulmanos, monstros, feiticeiros, bruxos e mágicos. No final de cada capítulo existe uma reflexão e conclusão moral que constitui a parte mais substancial da obra.

Frontispício da Obra Crónica do Imperador Clarimundo


Ropica Pnefma -
ou Ropicapnefma - (Mercadoria Espiritual) 1531

Considerada por muitos como superficial e ligeira, não necessariamente pelo seu volume diminuto, alguns estudiosos como Charles R. Boxer afirmam precisamente o contrário. Partilhando a estrutura de uma alegoria medieval, algo enigmática, semelhante à dos autos de Gil Vicente, é composta no apogeu do humanismo português. Apresenta-nos como personagens o Entendimento, Vontade e o Tempo, que discutem contra a Razão. A Vontade e o Entendimento aliam-se ao Tempo para venderem a Mercadoria Espiritual sob a forma dos sete pecados mortais (soberba, avareza, luxúria, inveja, gula, ira e preguiça), vícios que foram adquiridos quando a Vontade e o Entendimento deixaram de seguir a Razão. Como vemos, esta é uma obra de grande poder metafórico que se debruça sobre os pecadores. Sabemos a opinião de Barros através do Tempo, que vai servir como agente moderador. Alguns (como I. S. Reváh) propõem que esta seja uma obra dedicada aos cristãos novos e que procura afastar deles as suas crenças cripto-judaicas. Encontram-se também referências a Erasmo – aliás, Erasmo de Roterdão é um modelo para Barros -, assim como uma apologia da doutrina cristã e uma forte sátira social. António Borges Coelho faz menção ao facto de que João de Barros, nesta obra, ao elogiar a unidade e simplicidade da religião dos judeus, da sua esperança no Messias, os está a inserir num contexto diferente daquele dos cristãos novos, logo respeitando as suas crenças e independência do Cristianismo. A obra parece ter tido pouco impacto na altura, embora tenha vindo a ser valorizada nos dias de hoje.

Frontispício da obra Ropica Pnefma (Mercadoria Espiritual)


Gramática da Língua Portuguesa com os mandamentos da Santa Madre Igreja
(também conhecida como Cartinha)

Esta obra de João de Barros insere-se numa série de escritos sobre a gramática e língua portuguesa. Tratam-se de livros pedagógicos e didácticos de grande valor que procuravam educar moralmente crianças e adolescentes. Foi dirigida ao pequeno príncipe Filipe, não só para seu prazer e divertimento mas também como um instrumento de conversão e propagação da fé, uma vez que pretendia ajudar os asiáticos e africanos a ler e conhecer a língua e para os ajudar à conversão. É, portanto, um livro que juntava a aprendizagem da língua com a aprendizagem da doutrina católica, já que era parcialmente composto de uma secção de textos religiosos que ajudariam no catecismo. De todas as obras de interesse pedagógico que João de Barros escreveu, a Cartinha é, sem margem de dúvida a mais importante e divulgada. Uma outra obra semelhante, a Gramática da Língua Portuguesa (desta vez sem a vertente religiosa), publicada posteriormente, foi escrita para ser utilizada nas academias e liceus, embora nunca tivesse conseguido substituir as gramáticas tradicionais. Contudo, tratam-se de desenvolvimentos pedagógicos importantes.

Frontispício da obra Cartinha

Décadas

Com o título original de Ásia de João de Barros dos fectos que os portugueses fizeram no descobrimento e conquista dos mares e terras do Oriente, esta obra em quatro volumes é mais conhecida como as Décadas.
Trata-se de uma riquíssima contribuição para a língua portuguesa, mas também para a história, ainda que alguns historiadores dos nossos tempos se recusem a considerá-la como tal. Tem sido frequentemente acusada de ser parcial nos elogios que tece, nas personalidades que condena, nos acontecimentos que salienta e na trivialidade de alguns dos seus conteúdos. O próprio João de Barros escreve, no prólogo da quarta década, acerca deste assunto. Barros conta que a sua intenção era a de criar uma obra monumental, um documento literário imaculado e solene, onde os ódios, invejas e cobiças jamais teriam lugar ao lado dos grandes feitos. Mais explica que temia que a sua obra fosse uma má influência se comportasse tais acções indignas. Devemos ter igualmente em conta que Barros escreveu a sua obra para que fosse lida e apreciada pelos seus contemporâneos. O impacto destes quatro volumes foi maior num contexto internacional do que propriamente no nacional. Embora alguns dos seus amigos, também humanistas, como por exemplo Damião de Góis, tivessem elogiado a sua obra, sabemos que não foi tão bem recebida como deveria ter sido, em parte pela pressão exercida pelo seu rival Fernão Lopes de Castanheda, que publicou a sua história nestes mesmos tempos. Por outro lado, sabe-se que o Papa Pio IV tinha colocado o busto de Barros no Vaticano, ou que o humanista Filippo Sassetti mostrou grande agrado por esta obra. Os livros em si, como já foi referido, são extensos e contam uma infindável série de factos sobre os feitos dos portugueses no oriente. No entanto, podemos destacar alguns dos mais importantes, de todos os livros, visto que não é possível comentar todos os aspectos individualmente. Como é óbvio, o livro faz menção às viagens dos navegadores Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral. A maioria das descrições dos dois primeiros volumes descreve as mais importantes batalhas marítimas e as conquistas, assim como as rotas comerciais. São mencionados os nomes de D. Francisco de Almeida e de Fernão Peres de Andrade pelas importantes vitórias que almejaram e que concederam ao país o domínio do oceano Índico na sua totalidade. O terceiro volume será o de maior interesse para os estudiosos de hoje, na medida em que deixa de parte as conquistas e as batalhas para dar lugar a descrições magníficas do continente Asiático. Parece-me importante relevar o fascínio de Barros pelo império chinês, as suas leis e administração, construções (é mencionada a muralha da China) assim como pelas suas crenças religiosas. É surpreendente que este autor, sendo um homem do renascimento, fosse tão tolerante com a diferença de religião – tolerância que não para com os muçulmanos ou hindus. João de Barros supera-se ao confessar reconhecer a superioridade da cultura e ciência chinesa à da Grécia e Roma antiga, facto que é absolutamente incrível. Existe um problema associado à quarta publicação, mais propriamente com a sua autoria. A obra póstuma terá sido publicada em Madrid, por um autor que teve acesso aos seus escritos dispersos e confusos e que os completou.

 

Frontispício da obra Décadas da Ásia


Outras obras de João de Barros

Panegíricos

- Panegírico de D. João III
- Panegírico da Infanta D. Maria
- Diálogo Evangélico sobre os artigos da fé contra o Talmud dos judeus

Escritos Gramaticais

- Diálogo da Viciosa Vergonha
- Diálogo de Preceitos Morais com prática deles em modo de jogo

Algumas obras não publicadas

- Geographia Universalis
- Tratado de Causas ou Problemas moraes História Natural do Oriente...
- História dos Reis da Pérsia, Grão Tamerlão e Preste João

Muitas outras obras de João de Barros ficaram por mencionar, e algumas inclusivamente por publicar. Na verdade, as suas obras nunca foram reconhecidas ao nível da sua família que o acusava de perder tempo com os seus escritos. Pode-se mesmo dizer que, na generalidade, a sua obra não teve o reconhecimento devido na época, exceptuando os apoios de alguns homens de cultura e humanistas (alguns deles estrangeiros). Conclui-se, porém, que Barros tinha noção do poder dos seus escritos e dos sacrifícios que fez por eles, como menciona no prólogo da quarta década. Actualmente começamos a reconhecer o seu valor. O facto de ter percorrido um relativo número de escritos seus e a seu respeito permite-me afirmar sem dúvida alguma que estamos perante um homem que, embora não genial, era o mais bem informado dos sábios do seu tempo em toda a Europa do ocidente cujo legado não pode se pode continuar a ignorar ou subvalorizar.

Voltar ao Index | Home